Virtual Private Network: saiba tudo sobre a atual febre das VPNs

VPN é uma sigla em língua inglesa que significa Virtual Private Network. Em tradução literal, significa Rede Virtual Privada – um nome bem intuitivo que já permite compreender um pouco do que ela faz.

Basicamente, o mecanismo permite a comunicação segura e privada de uma rede específica dentro de uma rede de estrutura pública, que é a internet. Por ser uma rede pública, as informações que transitam via internet podem ser interceptadas por terceiros mal intencionados, o que cria um cenário bem vulnerável e nada propício à transações empresariais e monetárias, por exemplo.

Quer entender melhor o funcionamento de uma VPN? Fique com a gente para saber como VPNs funcionam, em que situações devem ser usadas e quais níveis de segurança podem fornecer aos usuários. 

Como funciona uma VPN

VPNs funcionam por meio de tunelamento. Mas o que exatamente isso quer dizer? Chamamos de comunicação por tunelamento VPN o mecanismo que estabelece canais exclusivos, seguros e privados entre duas redes distantes dentro da rede pública – a internet.

Imagine que sua empresa possui uma filial em outra cidade. A comunicação virtual pela internet é inevitável. Neste processo, você deseja que os dados transmitidos entre os computadores das duas filiais estejam completamente seguros, mesmo trafegando através da rede pública.

A VPN, portanto, estabelece um túnel virtual dentro da rede pública que simulará uma proximidade geográfica, como se as duas redes de computadores separadas em cidades diferentes fosse uma única rede, protegida e segura.

O tunelamento é criado por meio da criptografia. Todos os dados que saem da origem são criptografados e encapsulados, e só podem ser descriptografados no destino, estabelecendo uma blindagem quase que completa ao redor das informações trocadas. Se ainda assim forem interceptadas, o cracker será incapaz de decodificar qualquer coisa.

Outra maneira de proteger dados sigilosos é o uso de links dedicados, também chamados de IPs dedicados: uma ligação totalmente exclusiva com o provedor de internet que isola informações e provê grande qualidade e estabilidade de conexão.

Como já deve imaginar, essa opção é bem mais cara e mais segura, utilizada por grandes corporações. De maneira geral, evita grande parte das perdas de documentos, otimiza o funcionamento geral da organização e conta com assistência especial.

Em que situações devo usar VPNs?

Já deu pra ver o quão úteis são as VPNs. Sua indicação principal é a proteção de dados financeiros e transacionais, especialmente necessários para empresas e organizações. De qualquer forma, os benefícios de segurança podem ser utilizados por todos, seja para proteger informações pessoais importantes ou cuidar da privacidade em geral, protegendo-se de ataques de diversas naturezas.

VPNs também mascaram a real localização geográfica do usuário, o que pode ser útil para acessar conteúdos exclusivos de outros países, como os diferentes catálogos da Netflix, jogos e vídeos bloqueados para sua localização. Foi essa utilização informal, em grande parte, que provocou a recente popularização de aplicativos VPN gratuitos em todas as plataformas, com publicidade agressiva e um grande número de adeptos.

As desvantagens de usar uma rede virtual privada

Por funcionar com criptografia intensa e constante, a maioria das desvantagens da VPN se relaciona à velocidade, posto que certo esforço de transmissão é dedicado aos processos de criação e leitura dos dados criptografados.

Sua conexão geral pode ficar mais lenta ou sobrecarregada, o que também é provocado em partes pela própria distância geográfica. Aos gamers, o uso de VPN pode aumentar os níveis de Ping, o que causa os famosos lags. Pode ser que seu jogo on-line por VPN não flua da melhor maneira.

VPNs gratuitas são seguras?

Respondendo de maneira direta, redes VPN gratuitas são tão seguras quanto as pagas. As desvantagens, no entanto, estão na qualidade de oferecimento do produto: são consideravelmente mais lentas, devido ao grande contingente de usuários. É possível, ainda, que os serviços de conteúdo como Netflix e Amazon detectem um volume suspeito de usuários de uma mesma VPN e bloqueiem seu IP, impedindo a utilização.

Um ponto importante: algumas VPNs gratuitas armazenam um log de utilização que fica no servidor, fazendo com que a navegação não seja 100% anônima. Mesmo assim, os dados em si permanecem criptografados.

Em contrapartida, a maioria das VPNs pagas não registra log e são muito mais ágeis, com maior infraestrutura de rede e muito menos pessoas utilizando. Para empresas e instituições que necessitam de rede privada, vale a pena investir em um bom serviço pago.

E aí, conseguiu entender bem o conceito e tirar suas dúvidas sobre funcionamento, aplicações e implementação de um VPN? Deixe suas opiniões e perguntas aqui nos comentários! Vamos adorar falar de tecnologia com você!

Para ficar ainda mais informado, conecte-se com a gente pelo Facebook e permaneça ligado nas postagens do blog Conect WI, que atualizamos toda semana. Até a próxima, pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *