Escolha corretamente rádios PTP e PMTP.

Saiba como escolher corretamente os rádios PTP e PTMP.

Para distribuir um sinal de qualidade, é fundamental escolher bem dentre os muitos rádios disponíveis no mercado para a realização do serviço PTP (Ponto a Ponto) ou PtMP (Ponto Multiponto), que podem servir para uma infinidade de serviços: conexões de internet doméstica e empresarial, transmissão de vídeo e rádio, sinal para telefonia IP, enfim.

A amplitude desse serviço, se bem utilizada, é capaz de gerar soluções econômicas e de qualidade.

Como funcionam os rádios PTP e PTMP.

O grande benefício desses tipos de conexões é que dispensam recursos de cabeamento, que geralmente possuem custos altíssimos por dependerem de uma grande infraestrutura. O envio de sinais a rádio, além do preço e da operacionalidade reduzidos, conseguem atingir taxas consideráveis de distribuição e simplificar serviços para provedores e redes empresariais.

Como? Com o computador principal conectado à distribuição de internet, ligado a um rádio que irradiará esse sinal para os outros pontos de recepção, dispensando a necessidade de um servidor para a atividade de distribuição de sinal. E é nesse ponto que o Ponto a Ponto e Ponto Multiponto se diferenciam.

Rádios PTP (Ponto a Ponto)

Como o nome sugere, na conexão ponto a ponto a emissão de sinal vai de um usuário ao outro, para então ser replicada entre os usuários através de switches ou roteadores.

É ideal para vizinhanças, cidades pequenas e lugares mais remotos e muito empregada em setores empresariais de uso mais homogêneo, como escritórios.

– Rádios PtMP (Ponto Multiponto)

Na modalidade ponto multiponto, cada novo receptor pode se tornar um novo enlace de replicação de sinal, sendo capaz de oferecer uma rede de alcance extensa, com alta escalabilidade e facilidade para distribuir novas bandas de internet.

Essa é alvo de provedores mais amplos, setores empresariais e industriais mais complexos, espaços públicos e áreas habitacionais muito maiores.

Os atributos dos rádios PTP e PtMP.

Os rádios atuais possuem grande capacidade de distribuir um sinal íntegro. Para isso, é importante que os atributos sejam escolhidos de acordo com as necessidades físicas.

A maioria dos rádios é preparado para ter alta resistência em ambientes externos, mas equipamentos como o DPS (Supressor de Surtos) é indispensável para manter a vida útil dos equipamentos.

Os rádios podem ser categorizados entre aqueles que são de distribuição e os que exercem a função de Bridge, isso é, novos enlaces para a escalabilidade do sinal para os próximos usuários.

O alcance dos rádios está diretamente ligado a seus atributos nativos e ao tipo de antena conectada a ele. Entre os principais, é importante ressaltar os Gigahertz e os Decibéis de alcance.

O rádio converte o sinal de internet em pulsos de rádio, essa propagação é medida em Hertz, a capacidade dos rádios alcança a casa dos milhões de hertz em cada pulso. Os dBi’s se referem à capacidade de penetração no espaço, pois muitos fatores causam interferência ou resistência na qualidade do sinal, outras ondas e campos magnéticos geram interferência e as paredes dão resistência.

As antenas variam muito entre si, tendo como principal fator o raio de alcance. As antenas direcionais oferecem um raio mais curto, entre 45 e 90o, as setoriais oferecem 90o e são montadas em 4 no mesmo painel, para obter um alcance total de 360o. As antenas omnidirecionais têm um ângulo completo de 360o, com limitações no alcance devido ao design amplo. Enquanto a primeira apresenta um longo alcance e a segunda um alcance médio.

O nível de GHz varia bastante entre as antenas, de 2.4 GHz nas omnidirecionais, 5 a 8 GHz nas setoriais e até 16 GHz para as direcionais, que mudam na medida da potência de Hertz em relação à capacidade de dBi’s, geralmente de 8 a 42 dBis, com alcance de 4 a até 50 Kms.

Muitos rádios já transmitem sinais Gigabit, que alcançam até 1 GB de distribuição de bytes, enquanto aqueles com um padrão médio são capazes de distribuir até 300 Mbps de velocidade.

Para garantir o ganho total de sinal, muitos rádios e bridges possuem capacidade GPS acoplada, para perder cada vez menos em transmissão, encontrando imediatamente os outros enlaces ou receptores da rede.

MiSo, SiMo e MiMo.

As nomenclaturas desse título se refere à quantidade de inputs (entradas) e outputs (saídas), ou seja, hoje, um único rádio consegue transmitir ou receber mais de um sinal.

Por exemplo, a MiSo (Multiple Inputor, Single Output) é capaz de receber mais de um sinal mas distribuir apenas um, a SiMo (Single Input, Multiple Output), por sua vez, recebe um único sinal, mas pode distribuir múltiplos sinais, e a MiMo tanto pode receber, quanto enviar múltiplos sinais.

Esse fator é muito importante, especialmente, para a escalabilidade em redes Multiponto e para usuários que lidam com qualidades diversificadas de transmissões, como rádios, indústrias, provedores e servidores.

A economia operacional e a infraestrutura das redes de sinal a rádio são ideais para uma série de usuários, permitindo acesso prático, barato e de qualidade para diversas operações.

A ConectWi é uma empresa totalmente preparada na distribuição de todos os artigos para a criação de redes, provedores e outras modalidades de TI.

Confira nossa linha de rádios e bridges e assine nossa newsletter para receber os melhores conteúdos em primeira mão!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *