Diferença entre as tecnologias OLT e ONU

Aprenda a diferença entre as tecnologias ONU e ONT?

Qual a diferença entre as tecnologias ONU e ONT?

A eficiência dos serviços de fibra óptica é inegável, seu advento multiplicou a qualidade das conexões e permitiu uma expansão enorme da capacidade de redes. A diferença entre as tecnologias ONU e ONT, que podem utilizar dos mesmos princípios de distribuição de pacotes de dados, está na forma das suas estruturas no ponto para chegarem ao consumidor final.

O sinal emitido pelas OLTs, terminais de linhas ópticas, é feito através dos cabos e pode conter tipos diferentes de pacotes; tv digital, VoIP, além, é claro, de internet. Uma vez que a tecnologia de rede de distribuição passiva é uma das favoritas por não depender de switches e sim de splitters, que, além de ter um custo extremamente reduzido, conseguem entregar muita qualidade de forma acessível.

Em cada ponto de distribuição considerado final, ou seja, o terminal do usuário, a tecnologia final para a forma como chegará efetivamente até o cliente pode ser dividida entre dois tipos;

Afinal: Qual a diferença entre as tecnologias ONU e ONT?

A diferença entre as tecnologias ONU e ONT fica justamente por conta de como o sinal chega ao consumidor final;

O Terminal de Rede Óptica (do inglês: Optical Network Terminal, ONT), significa que o cliente possui nas dependências de sua casa um equipamento ativo para a recepção do sinal, que fará sua interface com o sinal passivo recebido do distribuidor. Logo, você possui um módulo de uso que pode ser configurado em casa e que conta com entradas para diferentes recursos via cabo óptico, como sinal de internet sem fio, vídeo, sinal VoIP, para ligações via sinal de internet e afins. Esse aparelho, que pode ser um modem, por exemplo, opera como um terminal, de onde mais dependências são conectadas para aproveitar os serviços distribuídos.

Já no caso de uma Unidade de Fibra Óptica(ONU), o sinal do distribuidor é captado em um aparelho, também ativo, mas que fica instalado em dependências externas, geralmente em armários, bastidores ou pedestais, em vias públicas, devidamente protegidos contra o efeito das chuvas, da temperatura e vandalismos.

Essa unidade é alimentada de maneira autônoma, seja de pares metálicos, coaxiais ou de fibra óptica, para receber desse “quadro” de unidade de distribuição do sinal. Aqui, o usuário não possui uma interface direta em suas dependências, mas o serviço distribuído e a acessibilidade aos diversos tipos de sinal que trafegam pela arquitetura PON serão os mesmos.

Qual escolher para minha necessidade?

A escolha do modelo variará muito de acordo com o tipo de serviço disponibilizado, pois a modalidade de sinal dá necessidades distintas aos usuários. Por exemplo, é incomum que se precise ter uma interface de sinal de tv ou telecomunicação. Dificilmente haverá a grande necessidade de, no uso doméstico, resetar regularmente o serviço, o que já pode acontecer no caso do sinal de internet.

Possuir uma interface doméstica para esse sinal, como um terminal, pode ser de preferência do seu cliente, mas ele precisa entender que isso acarreta em custos extras para possuir um terminal privado, em que se possa ter alguma autonomia a mais com seus pontos de acesso.

Os pontos ONU têm um preço menor e são muito bem-vindos em prédios, sejam residenciais ou comerciais, grandes empresas e outras situações em que seja viável distribuir sinais de uma mesma unidade.  Tendo alguém para fazer reparos mínimos, é bastante viável em ambientes com vários usuários, especialmente, porque a maior parte dos serviços ainda virá da distribuidora de sinal (OLT).

Portanto, a diferença entre as tecnologias ONU e ONT reside na comodidade do usuário. Enquanto ter um terminal de conexão dentro da sua própria casa pode ser útil para alguns perfis de usuários com mais atividades, conexões e atribuições, que precisa fazer modificações constantes, os pontos ONU são capazes distribuir sinal de uma unidade coletiva que será acessada por seus usuários, porém sem uma interface privada em suas residências ou escritórios, mas, ainda sim, recebendo os mesmos sinais enviados pela central distribuidora.

A questão gira em torno de comodidade e custo, pois os benefícios do serviço não se alteram.

Conclusão

Se você se interessa em aprender sobre redes de fibra óptica, continue nos acompanhando e acesse mais conteúdos aqui na página.

Assinando nossa newsletter, você receberá as próximas postagens em primeira mão!

Veja também: Qual a diferença de redes de fibra óptica GPON e EPON.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *