Saiba a diferença entre Gpon e Epon.

Qual a diferença de redes de fibra óptica GPON e EPON.

Conheça a seguir as diferenças entre redes GPON e EPON e suas aplicações?

As Redes Ópticas Passivas (ou Passive Optical Network, PON, em inglês) atuais se dividem entre duas modalidades quando se trata de tráfego de dados. A diferença entre as redes EPON e GPON tem muito a ver com a forma de protocolo de distribuição de dados, em que cada modalidade atende melhor um determinado perfil de uso dos sinais, envolvendo também a relação de custo x benefício e aproveitamento de velocidade máxima.

Entenda agora a diferença entre redes de GPON e EPON.

Operando por meio das redes de fibra óptica, baseadas na distribuição através de luz ao invés de eletricidade, elas, por si só, já possuem muitos benefícios em relação às modalidades que a precedem.

São imunes à interferências eletromagnéticas externas, oferecem grande velocidade de transmissão de dados entre o concentrador de rede (OLT) e seus terminais clientes (ONT/ONU) e podem alimentar diversos tipos de projetos, do acesso à internet, voz sobre IP, sinal de TV digital, sistemas de antes e estações de rádio, viabilizando uma série de projetos.

As redes EPON, do inglês: Ethernet Passive Optical Network, é, como o nome sugere, respaldada em protocolos Ethernet para o tráfego de dados. Sua velocidade é simétrica, com velocidade de 1.25 Gbps seja no downstream ou upstream. Por sua velocidade simétrica, pode ser que haja menor taxa útil de tráfego, em torno de 67% para o usuário final.

Graças ao tipo de protocolo, Ethernet, é possível se conectar com um número variado de equipamentos que usem esse mesmo tipo, relativamente menos complexo, ao menos em relação às redes GPON;

Estas, diferentes da primeira, possuem velocidade assimétrica. Como assim? A divisão de seus pacotes e tráfego oscilam conforme as necessidades da rede, sendo capaz de entregar uma média de tráfego útil ao usuário final de até 93% de eficiência, o que é especialmente importante quando se opera em uma rede mais complexa, com mais serviços agregados simultaneamente. Atingindo até 1.25 Gbps no upstream e 2.5 Gbps no downstream. Ao oferecer pacotes com tamanhos de acordo apenas com a banda requisitada, sua conexão tem fluidez e muito menos desperdícios de sinal.

Entendendo as redes FFTx, PMP-PON e PMP-Ativa.

Ethernet e Gigabyte são categorias de protocolo nos serviços de fibra óptica, a forma como são distribuídas fisicamente também tem um impacto nas relações custo x benefício e tipo de serviço.

As redes FFTx, em inglês: Fiber For The X, em que  X marca um local, seja uma casa, prédio comercial, quadro de distribuição ou ponto exclusivo de acesso, é uma arquitetura que interliga pequenos usuários para o fornecimento simultâneo de sinal.

A interligação desses pontos pode variar. Sendo de ponto-a-ponto, o sinal termina no usuário, ou nas comunicações ponto-multiponto, multiplicando a rede através de diferentes ferramentas:

As redes Ponto-Multiponto Ativas são ligadas por meio de switches instalados em pontos regulares e alimentados pela energia dos usuários conectados ao switch, assim ela pode se estender e criar mais pontos de acesso nutrida pelos próprios usuários.

Já as redes Passivas não possuem alimentação elétrica e  são replicadas através de splitters, como se cada ponto se “bifurcasse”.

A grande diferença entre ambas se dá de duas maneiras: uma, é o fato das redes ativas, com switches alimentados por energia, correrem certos riscos, seja por queimarem, pelo desgaste, que ocasionalmente obrigará a distribuidora a fazer uma substituição dos aparelhos devido à oxidação.  Enquanto as redes passivas têm uma vida útil muito longa, por trabalharem com pontos de acesso simples que, apesar de demandarem uma estrutura, tem um custo ínfimo de manutenção se comparadas as ativas. As duas trabalham com os dois tipos de protocolos.

A segunda distinção é que, com switches, seu sinal será sempre regenerado, isto é, o pacote enviado não será desperdiçado, com sua banda sendo enviada para o próximo trajeto de conexão. Já nas redes passivas isso não é possível, o sinal será sempre, digamos, desperdiçado, gerando uma eficiência inferior.

Veja também: Porque investir em fibra óptica?

Qual a opção mais vantajosa para seu empreendimento?

Entendendo os conceitos das arquiteturas e os tipos de protocolos, a diferença entre EPON e GPON já se torna mais clara para cada perfil de operação e consumo.
Vale a pena observar e ter alguma projeção do tamanho e da complexidade da rede que será distribuída, de forma que você evite grandes gastos com instalações em que o uso da capacidade máxima de uma modalidade acabe não sendo aproveitado.

Em relação às arquiteturas, as redes ativas, como citado, são capazes de regenerar o sinal, o que pode ser bastante interessante para serviços com grande variedade, que serão mais flexíveis . Porém, possuem o claro impasse de necessitarem regularmente de revisões e substituições, gerando um custo elevado, enquanto a rede passiva, justamente por não depender de eletricidade, tem custos bem menores. No entanto, é provável que tenham performance inferior as ativas, já que não apresentam formas de regenerar o sinal, que é sempre “perdido”.

Dentre as diferenças entre redes EPON e GPON, a lógica dos protocolos reflete algo similar: as EPON apresentam uma estrutura mais simples, que envia sempre o mesmo tamanho de pacote, sem chances de fragmentá-lo, apenas de acordo com o solicitado.

O bônus dessa modalidade é que, além de ter uma ótima velocidade regular, é muito mais econômica, apesar de recomendada para uma atividade de distribuição menos complexa. Já o protocolo GPON é capaz de organizar eficientemente tudo isso e lidar muito melhor distribuindo para múltiplos acessos.

A fibra óptica é extremamente rápida e moderna, seu serviço e seus clientes merecem essa tecnologia. A questão é: como atingir a melhor proporção custo x benefício?

Redes de pouca complexidade, de acessos com demandas pouco variadas e que primam pela economia deveriam, definitivamente, escolher a distribuição passiva com protocolo EPON, pois o custo é muito menor, é mais simples de instalar e operar, requer quase nenhum reparo e não corre o risco de se tornar obsoleta dentro da fibra óptica.

Quando a demanda é alta, embora sejam mais caras e difíceis de manter, redes ativas com protocolos GPON conseguem distribuir com excelência, graças aos switches que regeneram o sinal e a capacidade do protocolo GPON em enviar somente o necessário de banda para cada solicitação.

Conclusão

Agora que você entendeu os conceitos de arquitetura e protocolo relacionados à fibra óptica, continue navegando na página da ConectWi para mais artigos interessantes e informativos. Assinando nossa newsletter você recebe tudo em primeira mão, as melhores postagens e descontos, confira já!

Gostou do post ? Compartilhe nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *